Você sabia que tem um “freio” no giro do Sol?

por iw_azeheb 19 jan

você sabia que tem um giro no freio do sol?A Galáxia que conhecemos é cheia de planetas, estrelas, constelações e a Lua, mas é o Sol é o maior astro do nosso sistema! Todos os corpos, cometas, satélites giram em torno dele, cada um com sua órbita, mas todos a sua volta.

Ele é a estrela central do Sistema Solar, é composto principalmente por Hidrogênio e Hélio, e possui traços de outros elementos. Esse astro é responsável por muitas características do nosso planeta, como a definição do clima, e também nos transmite energia em forma de luz, que é o calor que sentimos quando estamos na luz do Sol.

O calor que a Terra recebe do Sol é transmitido pela radiação térmica , que é uma radiação eletromagnética emitida por um corpo em qualquer temperatura, só precisa estar acima do Zero Absoluto. Essa troca é feita em forma de energia térmica, o calor transmitido é em forma de ondas eletromagnéticas, como a luz infravermelho ou a luz visível. Isso pode ser comprovado por meio do nosso conjunto para estudo da radiação térmica, ele facilita a introdução ao tema e a comprovação de leis, como a Lei do inverso do quadrado e a Lei de Stefan-Boltzman.

freio-no-giro-do-sol-blog-azeheb

O que está freando o Sol?

O Sol também é o objeto de muitas pesquisas, apesar de sua distância muitas informações foram obtidas de sua observação, há uma sonda não-tripulada da NASA que conseguiu imagens impressionantes da superfície do astro. Entre os dados conhecidos sobre a estrela, foi descoberto que uma camada externa possui rotação mais lenta que suas camadas internas, mas ainda não haviam achado explicações para essa questão.

Cientistas do Instituto de Astronomia da Universidade do Hawai, da Universidade de Stanford e da Universidades Estadual de Ponta Grossa, publicaram um artigo explicando o motivo que está “travando” o Sol.

Usando anos de dados do satélite do Observatório Solar da NASA, os pesquisadores puderam observar a diferença na rotação das camadas e compreender o que causava essa alteração, a radiação transmitida pelo Sol para a Terra é o motivo da camada exterior ser mais lenta.

Para explicar o fenômeno é preciso entender um pouco da Teoria Especial da Relatividade de Einsten. A relatividade especial prediz que os fótons, que carregam a força eletromagnética (isto é, luz), carregam também uma quantidade minúscula de momentum. Se você tem fótons suficientes viajando longe de um objeto, eles vão levar para longe uma grande quantidade de impulso. No caso da vida de 5 bilhões de anos do sol, a superfície perdeu muito impulso para os fótons, causando uma desaceleração da parte 5% mais alta do sol. Este mecanismo, chamado de efeito Poynting-Robertson, tem sido observado na poeira interplanetária, que sente o arrasto da radiação do sol, fazendo com que ela caia do cinturão de asteroides para dentro do sistema solar. (FONTE HYPESCIENCE/SEEKER)

Colocando em termos mais simples, o que acontece é que a luz emitida para terra, é transmitida pelos fótons, que são partículas que carregam força eletromagnética, elas carregam junto uma pequena quantidade de momentum. O momentum é conhecido popularmente como balanço ou embalo, ele é necessário para que haja interação entre sistemas físicos.  Devido a distância entre o Sol e a Terra, os fótons se mantêm distantes do seu objeto de origem, por causa da quantidade muitos momentums também são levados, dessa forma a camada exterior ficou mais lenta com o passar dos bilhões de anos.

A pesquisa realizada será publicada esse mês, além da compreensão do freio no giro do Sol, eles perceberam alterações no campo magnético do astro, algo que afeta o sistema solar inteiro. Para quem desejar entender melhor o assunto e ver os cálculos utilizados, o artigo está disponível para leitura e explica detalhadamente a descoberta realizada.

Fique atento ao nosso blog! Traremos mais notícias e curiosidades para você sobre ótica, eletricidade, astronomia e mecânica.

Deixe seu comentário :

Comentários

  1. Muchos Gracias for your post.Thanks Again. Fantastic.

Deixe um comentário