Física no cotidiano: como funciona o forno de micro-ondas?

por iw_azeheb 21 abr

Praticamente em todas as residências existem o famoso forno de micro-ondas. Simples e prático, ele auxilia no preparo e aquecimento de alimentos, muitas vezes salvando a alimentação dos que não se arriscam no fogão convencional. Mas, apesar de ser tão comum e prático, como funciona o forno de micro-ondas?

 

A história dos micro-ondas

Na verdade, as micro-ondas são ondas eletromagnéticas de alta frequência, assim como as de rádio.  Em 1945, o engenheiro americano Percy Spencer estava trabalhando na construção de magnetrons (peças capazes de gerar ondas eletromagnéticas). Foi então que ele percebeu que uma barra de chocolate que estava em seu bolso havia derretido. Logo Spencer percebeu que as micro-ondas eram capazes de aquecer os alimentos e vislumbrou as possibilidades culinárias desse gerador. Assim surgiu, no início dos anos 50, o primeiro forno de microondas.

 

Como funciona?

O forno de micro-ondas funciona com frequência de 2,450 gigahertz, a mesma frequência de ressonância das moléculas de água.  Dessa forma, a radiação excita as moléculas assimétricas, como a da água, óleos e açúcar. Sendo assim, quando o forno é utilizado essas ondas são refletidas várias vezes nas paredes metálicas sobre o alimento, fazendo com que apenas estas moléculas aumentem sua energia interna e, consequentemente, provocam o aumento de temperatura.

As micro-ondas têm alta capacidade de penetração na comida, o que possibilita o cozimento por dentro e não a partir da superfície, como ocorre nos fornos convencionais. No entanto, elas não fazem vibrar as moléculas de vidro ou plástico que, em sua maioria, são formados por moléculas de estrutura extremamente simétrica. Por isso o aquecimento destes materiais é bem pequeno no forno. Mas quando eles estão com algum alimento, o que acontece é que o contato da comida direto com o prato acaba causando tal aquecimento.

 

E então, agora que você já sabe como o forno de micro-ondas funciona, que tal esquentar um lanchinho e conferir os outros posts do nosso blog?

Deixe seu comentário :

Comentários

  1. Davi Pedro GRABOWSKI disse:

    Muito bom. Será que os demais elementos também tem uma frequência de ressonancia; ou um alinhamento. Pois se assim for daria pra fazer um microondas com a frequência ou ajuste exato ou (alinhamento )de forma a aquece-los ?

  2. ALEXANDRE AUGUSTO disse:

    Muito interessante. Triste é aceitar que um engenheiro com tanta capacidade e conhecimento colocou uma barra de chocolate no bolso e descobriu que estava esquentando, caraca, e o corpo dele? Desde o começo das invenções dos aparelhos que geravam radiações eletromagnéticas já se sabiam sobre o aquecimento de materiais devido ao atrito das moléculas umas com as outras quando expostas á radiações de alta potencia. O magnetron foi inventado na época da segunda guerra mundial com a intenção de gerar sinais de microondas com muita potencia para transmissão de sinais de telecomunicação a longa distancia, logo descobriram que as frequências variavam demais e com muita instabilidade, o que tornava difícil e impraticável para os receptores, esse projeto com esse dispositivo foi abandonado na época. Devido a facilidade,simplicidade e baixo custo para fabricação do magnetron, foi desenvolvido os “microondas” para uso domestico, lembrando que os engenheiros que trabalhavam no desenvolvimento do magnetron já o usavam para aquecer materiais nos laboratórios assim como o uso de outros dispositivos de radiação eletromagnética desenvolvidos que o antecederam.

Deixe uma resposta