3 teorias científicas que todo mundo deve conhecer

por iw_azeheb 27 abr

 

Desde o surgimento da ciência, cientistas das mais diversas linhas de estudo se empenham para criar teorias científicas que possam comprovar as suas ideias.

De fato, criar uma teoria científica que seja reconhecida pelos seus pares é objetivo de qualquer cientista mais experiente.

As teorias científicas servem para que nós, leigos, consigamos entender melhor a realidade que está presente ao nosso redor.

Algumas coisas, por mais simples que sejam, só podem ser explicadas por uma teoria científica e, nesse sentido, o papel de um cientista é fundamental.

A seguir, listamos três teorias científicas que todo mundo, seja da comunidade científica ou não, deveria conhecer.

A Teoria da Gravitação do Universo

Pouco se fala sobre essa teoria na ciência recente. Porém, quando essa teoria foi criada por Isaac Newton, há pouco mais de 300 anos, ela representou uma verdadeira revolução na comunidade científica.

A Teoria da Gravitação Universal, de Newton, diz que uma força de atração sempre estará presente entre dois ou mais corpos. A essa atração, deu-se o nome de Gravidade.

A gravidade, de acordo com a teoria, é diretamente proporcional ao produto das massas dos corpos. Porém, é também inversamente proporcional ao quadrado das suas distâncias, sempre sendo guiada no sentido e na direção dos seus centros.

Essa teoria também serve para explicar por que os gases quentes que contornam as estrelas do céu ficam sempre juntos e não se espalham pelo universo. Explica também por que os planetas não saem de suas órbitas.

A Teoria da Evolução e da Seleção Natural

Essa teoria já foi apresentada há muito tempo, em um longínquo século 19, onde os tempos eram outros, a ciência era outra. Apesar disso, essa teoria continua sendo alvo de discussões dentro e fora da comunidade científica.

Isso acontece por conta do velho embate entre os criacionistas e os evolucionistas. Apesar desse impasse, é importante entender o que diz essa teoria tão popular fora do ambiente acadêmico.

De acordo com a maioria dos cientistas que estudam essa teoria, a Teoria da Evolução e da Seleção Natural defende que todos os seres humanos que habitam o nosso planeta têm um único descendente em comum.

Porém, para que tivéssemos a diversidade de corpos e organismos que temos hoje, alguns desses nossos seres ancestrais tiveram que evoluir seguindo modelos de espécie diferentes entre si.

Ainda segundo a teoria, nós conseguimos evoluir graças as mutações genéticas que ocorreram nas diversas espécies. Essas mutações genéticas fizeram com que novas características mais específicas surgissem na espécie humana.

Essas diferenças entre os organismos ofereceram maior capacidade de sobrevivência a alguns deles, caracterizando a Seleção Natural que também dá nome à teoria.

Teoria Geral da Relatividade

É a junção de dois estudos do alemão Albert Einstein: Teoria da Relatividade Restrita, de 1905, e a teoria da relatividade geral, de 1915. Além de estabelecerem relações entre massa e a energia de um corpo, elas explicam que tempo e espaço são relativos, dependendo do ponto de vista do observador.

A teoria da relatividade restrita tem como base:

  1. Todas as leis da natureza são as mesmas em todos os sistemas de referência inerciais (sistemas de referência não-acelerados).
  2. A velocidade de propagação da luz no vácuo é a mesma em todos os sistemas de referência inerciais (sistemas de referência não-acelerados).

Teoria da Relatividade Geral

A teoria geral foi apresentada por Einstein 10 anos após a teoria restrita. Ela amplia a abrangência daquela estendendo a descrição dos fenômenos físicos para sistemas acelerados (não inerciais).

A ideia básica da teoria é que a presença de matéria encurva o espaço-tempo. Assim, quanto maior for a massa do corpo, mais ele encurvará o espaço-tempo ao seu redor.

E você, já sabia de todas essas teorias? Continue acompanhando nosso blog para saber mais sobre o muito da ciência 🙂

Deixe seu comentário :

Comentários

  1. Raphael disse:

    O conceito de átomo e moléculas também deveria ser de conhecimento universal (em minha opinião, é claro)

  2. Guedes disse:

    O texto original diz:

    “… todos os seres humanos que habitam o nosso planeta têm um único descendente em comum.
    Porém, para que tivéssemos a diversidade de corpos e organismos que temos hoje, alguns desses nossos seres ancestrais tiveram que evoluir seguindo modelos de espécie diferentes entre si.”

    Se era único, como entender a expressão
    “…alguns desses nossos seres ancestrais tiveram que evoluir seguindo modelos de espécie diferentes entre si.”
    Para haver “alguns”, mais de um era necessário.

    Sugiro que o texto apresente um exemplo ou uma breve descrição de como ocorreu a divisão de um em dois, em que o segundo apresentasse diferenças em relação ao primeiro. Só assim será possível entender o surgimento da diversidade.
    Estas e outras aparentes incoerências foram erradicadas na transcrição abaixo. Espero não ter cometido nenhuma gafe e que ela possa contribuir para uma melhor compreensão do texto. Se houver interesse e/ou necessidade, ficarei feliz em discutir a questão.

    A Teoria da Evolução e da Seleção Natural

    Essa teoria já foi apresentada há muito tempo, em um longínquo século 19, onde os tempos eram outros: a ciência era outra. Apesar disso, essa teoria continua sendo alvo de discussões dentro e fora da comunidade científica. Isso acontece por conta do velho embate entre os criacionistas e os evolucionistas. Apesar desse impasse, é importante entender o que diz essa teoria, tão popular fora do ambiente acadêmico.
    De acordo com a maioria dos cientistas que estudam essa teoria, ela defende que todos os seres – que habitam o nosso planeta – têm um único ascendente. Porém, para que tivéssemos a diversidade de corpos e organismos que temos hoje, esse ancestral teve que evoluir seguindo modelos de espécie diferentes entre si.
    Ainda, segundo a teoria, nós, conseguimos evoluir graças as mutações genéticas que ocorreram nas diversas espécies. Essas mutações genéticas fizeram com que novas características mais específicas surgissem na espécie humana.
    As diferenças entre os organismos ofereceram maior capacidade de sobrevivência a alguns deles, caracterizando a Seleção Natural que também dá nome à teoria.

Deixe uma resposta